domingo, novembro 30, 2008

Novo site da Defesa Civil

http://www.desastre.sc.gov.br/

sábado, novembro 29, 2008

Na Veja

A Veja explica as causas do dilúvio que se abateu sobre o nosso querido Vale do Itajaí e traz alguns dos relatos dramáticos que marcarão a história de Santa Catarina. A foto de capa é uma homengam à menina Luana Eger, a primeira vítima fatal. Aqui, o texto para assinantes. E aqui, um outro aberto.

sexta-feira, novembro 28, 2008

Em primeira pessoa - ou relatos da tragédia

A equipe do Jornal de Santa Catarina fez este vídeo de relatos sobre a tragédia que se abateu sobre Blumenau e região. Tem gente que acha sensacionalismo usar a palavra "tragédia" - jornalistas, inclusive. Se não for tragédia o que acontece em SC, então não sei o que pode ser.

quinta-feira, novembro 27, 2008

Itajaí

Itajaí teve cerca de 90% do território submerso. Segundo a Prefeitura Municipal, cerca de 14 mil pessoas ficaram desabrigadas e estão agora nos quase 100 pontos de abrigo no município. No ginásio de esportes da Univali (Universidade do Vale do Itajaí) estão 371 pessoas. Deitadas em colchões no chão, algumas assistiam à televisão, outras escutavam rádio, enquanto as crianças brincavam com uma pequena bola de plástico e duas traves improvisadas com sandálias.

O soldador Eriovaldo Santos, 37, estava lá com a mulher e três filhos. A casa da família, no bairro São Vicente, está com água no teto. “Encheu rápido demais. Quando vi já estava entrando água em casa. Meu menino estava sendo levado pela correnteza, mas eu consegui sugurá-lo”, contou, chorando. Paraibano de nascimento, chegara a Itajaí há três meses, depois de sete anos em São Paulo.

Ao lado, Manuela Rodrigues, 27, contou que a mãe resistira quase três dias em cima da laje da casa até ser resgatada ontem à tarde. “Passou fome, frio e sede.” Mas, agora, no abrigo, todos estão alimentados e protegidos. “Aqui é muito bom. Temos boa comida, colchão e até medico”, elogiou Santos.

O drama das famílias desabrigadas não vai embora com as águas. Erinaldo Félix, 29, está no abrigo com a mulher e duas filhas pequenas e já pensa na volta para casa. Ele disse que não vai ser nada fácil ver a casa destruída. Além dos móveis e eletrodmésticos, a chuva também levou as compras do mês que ele acabara de fazer. “Vai ser outro baque.”

O quartel-general de socorro às vítimas de Itajaí foi montado no Pavilhão da Marejada. O vice-governador, Leonel Pavam (PSDB) disse que 12 mil colchões (dos quais dois mil nos próximos dois dias) e 280 toneladas de comida estavam a caminho dos municípios do Vale do Itajaí.

Uma das preocupações agora é com a segurança pública. Tem havido muitos saques a residências e ao comércio. O supermercado Maxxi foi saqueado por mais de mil pessoas. Os caminhões com donativos estão saindo do Pavilhão da Marejada sob escolta para evitar que sejam saqueados. Os detentos do presídio de Itajaí ameaçaram uma rebelião por falta de água e comida, mas a situação foi controlada pela polícia.

A economia do município também está seriamente afetada, principalmente por causa dos prejuízos do porto de Itajaí. Três dos quatros berços de atracação foram danificados pela força das águas. Fechado desde a última quinta-feira (20), as cargas continuam no pátio e não podem ser embarcadas nem retiradas até que as águas baixem. Cerca de US$ 33 milhões deixam de ser exportados por dia. O porto representa quase 70% da economia da cidade.

Solidariedade

Sei que pode parecer piegas, mas me emociono a cada vez que vejo na televisão caminhões sendo carregados com donativos, em quase todos os estados, para ajudar os flagelados das enchentes aqui em Santa Catarina. Gente ajudando pessoas que não conhecem e, provavelmente, nunca irão conhecer. É sinal de que a coisa ainda tem jeito.

Caminhões partem de Pernambuco, Mato Grosso, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul - para citar só alguns de que me lembro. Não tenho permissão pra falar em nome dos atingidos, mas agradeço a cada um que teve a grandeza de colaborar para amenizar o sofrimento de nossa gente.

Daqui de casa, foram: uma geladeira, um colchão, dois cobertores, duas caixas de leite, produtos de higiente e roupas - para ajudar pessoas que conhecemos e que perderam tudo o que tinham dentro de casa.

Os que moram longe e não conseguem doar materiais podem depositar dinheiro nas contas da Defesa Civil de SC - veja aqui. As doações já chegam a R$ 1,2 milhão, mas a devastação é enorme e ainda precisamos da ajuda de todos.

O Grupo RBS lançou a campanha Santa Catarina Solidária.

terça-feira, novembro 25, 2008

Tempestade

Venta forte e chove torrencialmente de novo em Balneário Camboriú. Tomara que passe rapidamente. Esse povo não merece isso tudo.

Resgate



Ao desembarcar do pequeno barco que as resgatara da casa alagada, dona Ilda Mendes, 35 anos, tentava proteger a filha pequena que a abraçava aos prantos, na tarde chuvosa de ontem. A casa alugada de dois pisos em que moram já estava com mais de um metro e meio de água. Ainda assim, serviu de abrigo para cerca de 25 pessoas que passaram a madrugada de sábado para domingo, no bairro dos municípios, em Balneário Camboriú, em Santa Catarina. Como a água continuava a subir, Ilda decidiu sair com uma das filhas e deverá ser seguida pelo marido e pela outra filha. “Perdi quase tudo. Deu pra salvar pouca coisa”, lamentou, sem conseguir dizer mais nada.

Balneário Camboriú é um dos municípios mais castigados pelas chuvas que caem em Santa Catarina há mais de um mês. O bairro dos municípios, na divisa com Camboriú, às margens da BR-101, é o mais atingido. É dele que vem a maioria das 300 pessoas abrigadas no Centro Educacional Central, bem no centro da cidade, onde não há risco de inundação. Como dona Inês Souza, de 63 anos, que relutara em sair de casa, mesmo com água pelo peito. “Meu filho teve que me puxar para eu sair”, contou. No início da tarde, ela teve uma crise nervosa porque o pessoal que cuida do abrigo não permitiu que ela voltasse para casa. Não havia como, já que a água continuava subindo. Mais calma e resignada, aceitou sentar-se à mesa para um lanche. Ao lado, a filha Kátia não se contém. “É triste ver as pessoas pedindo ajuda e você não poder fazer nada”, disse, chorando.

Nos dois andares do colégio, as salas de aula viraram quartos improvisados. Para evitar que os colchões espalhados no chão ficassem úmidos, uma voluntária passava oferecendo sacos plásticos como proteção. Os mais experientes colocavam os colchões sobre duas filas de cadeiras, de frente umas para as outras, para evitar a umidade. Um sistema de auto-falantes anunciava a hora do lanche. Os voluntários passavam com as bacias e tigelas com sopa, pão, bolo, biscoito, suco e salgados. “Eles tratam a gente muito bem aqui”, elogiou Kátia.

Tanto que alguns preferiram ir para o abrigo a recorrer aos parentes. É o caso do casal Gerson Santos, 37, e Angélica Rangel, 19. Eles foram uns dos primeiros a chegar à escola, na madrugada de sábado para domingo. “Perdemos tudo. Vamos ter que começar do zero”, lastimou Angélica. Em janeiro, eles já haviam passado por uma outra enchente, mas muito menos dramática do que essa.

Situação semelhante, ou até pior, vive a família de Braz César Santana, de 53 anos. A casa dele e a dos três filhos, no município vizinho de Camboriú, foram completamente alagadas. “Perdemos tudo, até um jogo de sala novinho que ainda estava encaixotado. Vamos ter que recomeçar tudo”, disse, emocionado. Ele contou que saiu de casa às 3h da manhã com água pelo pescoço e foi com a mulher para um albergue. Lá, encontrou os três filhos. Depois, foi para a casa de uma amiga, irmã de uma colega de trabalho, que também teve a casa inundada.

segunda-feira, novembro 24, 2008

Uma tristeza só



Este desmoronamento foi em frente ao prédio onde mora um casal de amigos nosso, em Blumenau. O clima em todo o Vale do Itajaí é de muita tristeza. Agora à noite, vi na TV o depoimento de um homem que perdeu a mulher e as duas filhinhas no desmoronamento da casa, em Jaraguá do Sul. É chocante, devastador.

Não há quem não conheça alguém que não tenha sido atingido de alguma maneira por esta tragédia. Aqui em Balneário Camboriú, levamos as nossas doações ao abrigo do Centro Educacional Central, na rua 1822.

Na manchete da Folha

Matéria minha na Folha de S. Paulo de hoje. Fazia tempo que não aparecia na manchete de um grande jornal diário. Pena que por um motivo triste. Segue o texto editado. Em seguida, coloco aqui o texto original que, modéstia à parte, considero melhor.

Escola no litoral recebe 300 desabrigados
PAULO HENRIQUE DE SOUSA

COLABORAÇÃO PARA A AGÊNCIA FOLHA, EM CAMBORIÚ
MARIANA IWAKURA
DA REPORTAGEM LOCAL

Balneário Camboriú (85 km de Florianópolis) é um dos municípios mais castigados pelas chuvas que atingem Santa Catarina. O bairro dos Municípios, na divisa com Camboriú, às margens da rodovia BR-101, é o mais atingido. É dele a maioria das 300 pessoas abrigadas no Centro Educacional Central, no centro da cidade.
Uma delas é Inês Souza, 63, que relutara em sair de casa, mesmo com a água já na altura do peito. "Meu filho teve que me puxar para eu sair", contou. No início da tarde de ontem, ela teve uma crise nervosa porque o pessoal que cuida do abrigo não permitiu que ela voltasse para casa. Não havia como, já que a água continuava subindo. Mais calma, Inês aceitou sentar-se para lanchar. Ao lado, a filha Kátia disse, chorando: "É triste ver pessoas pedindo ajuda e você nada poder fazer".

Nos dois andares do colégio, as salas de aula viraram quartos improvisados. Para evitar que os colchões espalhados no chão ficassem úmidos, uma voluntária passava oferecendo sacos plásticos como proteção.

Os mais experientes colocavam colchões sobre filas de cadeiras, de frente umas para as outras, para evitar a umidade.Um sistema de alto-falantes anunciava a hora do lanche. Os voluntários passavam com tigelas com sopa, pão, bolo, biscoito, suco e salgados.

Alguns preferiram ir para o abrigo a recorrer a parentes, como o casal Gerson Santos, 37, e Angélica Rangel, 19, que chegou à escola na madrugada de ontem. "Perdemos tudo. Vamos ter que começar do zero", disse Angélica. Em janeiro, eles já haviam passado por uma outra enchente, mas menor.

Situação semelhante vive a família de Braz César Santana, 53. A casa dele e a dos três filhos, no município vizinho de Camboriú, foram completamente alagadas. "Perdemos tudo, até um jogo de sala novinho que ainda estava encaixotado."

Ele saiu de casa às 3h, com água pelo pescoço, e foi com a mulher para um albergue. Lá, encontrou os três filhos. Foram para a casa de uma amiga, que também acabou inundada.

Uma pessoa morreu em Guaratuba (litoral sul do Paraná) na noite de sábado em razão da chuva. A lanchonete de Jair Dias, 45, foi atingida pelo deslizamento de um barranco.Também no litoral, em Paranaguá (90 km de Curitiba), as chuvas causaram o desabamento de quatro casas, e o abastecimento de água foi cortado devido aos detritos.Um barco ficou à deriva na baía de Paranaguá, e seus tripulantes foram resgatados por volta das 6h de ontem.

domingo, novembro 23, 2008

Dilúvio



A situação está muito feia em Santa Catarina, principalmente no litoral Norte e no Vale do Itajaí. Chove há dois meses quase que ininterruptamente. Vinte pessoas morreram e cerca de 15 mil estão desabrigadas. Já há quem compare a situação atual com a grande enchente de 1983, uma das maiores catástrofes do estado.

Tal como naquela vez, Blumenau é, de novo, o município mais atingido. A cidade está às escuras e a Defesa Civil calcula que o rio Itajaí-Açú deva chegar a 12 metros acima do nível normal às 6h desta segunda-feira. Esse é um nível crítico a partir do qual a região central também passa a correr sério risco de alagamento.

No centro, muitas pessoas não podem mais sair de casa. Por volta das 21h, o prefeito João Paulo Kleinübing ainda estava no QG montado no prédio da prefeitura, de onde era muito difícil sair. É possível que muitas, inclusive o prefeito, tenham que passar a noite lá.

Você pode acompanhar a cobertura por sites de notícias, como o Diário Catarinense, além dos sites das prefeituras dos municípios mais atingidos, como Blumenau, Balneário Camboriú, Joinville e Itajaí, e da Defesa Civil e do governo do Estado. Sobre Blumenau, uma boa opção é o blog coletivo Notícias de Blumenau.

sexta-feira, novembro 21, 2008

Uma mente brilhante - 2

Com esta chuva toda, não vai dar praia no fim de semana. Aliás, não tem dado há mais de mês. Como vocês vão ficar em casa, mesmo, aproveitem para ler esta bela entrevista com o professor e pesquisador Newton da Costa. Afinal, como diz o professor Cezar Mortari, o que vocês vão fazer no sábado à tarde, mesmo?

Entrevista com Alan Sokal

O dia mundial da filosofia foi ontem e, como estive ocupado numa aula de lógica, não consegui postar nada. Para compensar, deixo-vos com uma entrevista muito boa com o físico Alan Sokal, que nos fez o favor de desnudar a picaretagem acadêmica dos "estudos culturais".

quarta-feira, novembro 19, 2008

De Caxias

Tem link novo na lista ali ao lado. É logo o primeiro. Alexandra é uma das mulheres mais interessantes que conheço.

segunda-feira, novembro 17, 2008

Saborosíssimo

Já não era sem tempo. Meu grande amigo Marcelo Santos resistiu bravamente, mas agora se entrega ao mundo dos blogs. Inaugurou o seu Pastel de Feira. Tudo a ver, já que o Marcelo não só escreve muito bem, como também cozinha. Ah, o caldo de feijão dos tempos de faculdade! Sucesso, meu velho!

domingo, novembro 09, 2008

Obscurantismo, terrorismo, barbárie

Matéria da Folha de S. Paulo de sábado. Se bobearmos, voltamos à Idade Média.

Um dos laboratórios do Instituto de Biociências da USP foi alvo de vândalos na noite de quinta-feira. Os criminosos deixaram a assinatura ALF (Frente de Libertação Animal, na sigla em inglês) no local, uma sala de cultura de células onde se faz pesquisa sobre malária. Na ação, fios de computadores foram cortados e vidros quebrados. Outra pichação dizia: "Nós voltaremos".Se for confirmada a autoria da ação, essa é pelo menos a terceira vez no ano em que grupos contrários ao uso de animais em pesquisas agem de forma violenta no país.Em agosto, a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) sofreu uma ameaça de bomba, também assinada pela ALF. A denúncia do artefato interditou por cerca de três horas o quarteirão onde está localizado o prédio da universidade. E, em julho deste ano, durante a reunião anual da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) em Campinas, membros de uma organização denominada Vegan Staff.org jogaram tinta vermelha na pesquisadora Regina Markus, da USP.No site do grupo, os integrantes dizem ter escolhido "cuidadosamente" a vítima do protesto e que o ato representava "a ciência suja de sangue". Ela coordenava no evento o núcleo de experimentação com animais de laboratório.Neste último caso, na USP, a porta da sala não chegou a ser arrombada -as pessoas teriam entrado pela janela.Mais de mil alunos, além de cerca de cem professores e 200 funcionários, circulam pelo Instituto de Biociências, onde fica a sala. Segundo o diretor do instituto, Wellington Delitti, a sala foi lacrada pela polícia e permanecia assim ontem.Ele não descarta, porém, a possibilidade de ter sido um "crime comum". "Quando a polícia liberar a sala será feito um inventário para saber se equipamentos foram roubados." Para Delitti, o instituto é vulnerável -fica isolado e guardas apenas fazem ronda no local.Ele pensa, no entanto, em realizar uma campanha educativa a respeito da importância do trabalho com animais.Segundo o diretor, o maior problema desse tipo de crime é a perda de dados científicos. "A malária mata milhões. Eles causaram um atraso na pesquisa e danos para muita gente."Na opinião do pesquisador Marcelo Morales, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o vandalismo na USP "não tem nada a ver com a discussão sobre a proteção aos animais". "São atos terroristas, e têm de ser punidos como atos terroristas", diz. Ele organiza atualmente uma campanha nacional para o esclarecimento sobre a pesquisa com animais que custará R$ 1,5 milhão e deve ser veiculada em dois meses na TV, em rádios e em cinemas.Morales ressalta que, se não houver punição, "daqui a pouco vai acontecer como nos EUA, onde pesquisadores estão sendo ameaçados".Renato Balão Cordeiro, farmacólogo da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), já previa que essas ações fossem ocorrer. Segundo ele, como os vários ativistas anônimos não podem mais sensibilizar vereadores, porque a Lei Arouca (que regulamenta o uso de cobaias em experimentos) já foi aprovada no Congresso, "eles começam a fazer essas sandices".Para Cordeiro, é urgente que a lei, sancionada em outubro pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, seja regulamentada.Muitos alunos da USP ainda não sabiam do ocorrido na tarde de ontem. Alguns opinavam que os autores deviam ser pessoas da própria universidade -que conheciam o local. A estudante de biologia Natany Bissiato, 18, soube do ocorrido ao conversar com veteranos. "Todos têm o direito de expressar sua opinião, mas acho que essa não é a melhor maneira."
(Via Blog do Tambosi)

segunda-feira, novembro 03, 2008

Muito a comemorar

Hoje faz sete anos que a Renata me agüenta todo santo dia. Somando tudo, lá se vai quase uma década. Sou mesmo um sortudo por tê-la encontrado.
Comemoração modesta: um peixinho à beira-mar. Uhm!
No sábado, os avós paternos dela comemoraram 65 anos de casados. Será que a gente chega lá??

Yankee do inferno


O vídeo anterior de George Carlin que postei abaixo não fez muito sucesso num certo ambiente de trabalho. Ok, ok, o comportamento dilbertiano reinante não é o mais afeito à iconoclastia, nem que ela seja bem-humorada. No fim das contas, perante o juízo refinado dos dilberts, eu não passo de um representante do imperialismo e cliente voraz do McDonalds em teras latino-americanas. Ai, que sono!

Pois bem, eis que encontrei um outro vídeo de Carlin. Se o primeiro era iconoclasta por tirar um baita sarro de todos os ecochatos deste planeta sempre em perigo, este agora promete ser ainda pior. Além de representante do imperialismo, passarei a enviado do Satanás, do belzebu, do chifrudo, do capeta, do tinhoso, do coisa feia...
Whatever. O engraçado é que, no vídeo, Carlin fala de algo que eu sempre falo para os mais chegados: por que diabos (ops!) é que as pessoas rezam por alguma coisa? Não seria essa uma tentativa de alterar os desígnios divinos? Afinal, Ele não é o todo-poderoso e não tem os desígnios de todos nós previamente determinados? Que perda de tempo!

domingo, novembro 02, 2008

Golpe na praça?

Como já disse, costumo me policiar em relação aos arroubos contra o petismo, sempre partindo do pressuposto que não passa de mais um partido corrupto entre tantos outros. O problema é que é um bando mais organizado. Eu sempre achei que a história de um terceiro mandato de Lula seria mais um episódio de teoria da conspiração. Mas é bom ficar de olhos bem abertos porque parece que o golpe não está completamente descartado. Há muitas possibilidades - uma delas é esta aqui.

quinta-feira, outubro 30, 2008

A polícia politicamente correta

O Marcelo Soares escreveu algo muito interessante sobre a cobertura do seqüestro e morte da menina Eloá, em Santo André.

Este foi o meu comentário ao post dele: "Marcelo, o coronel está errado e certo. Errado ao não ter atirado no descornado, se de fato teve oportunidade. E certo ao dizer que a imprensa (sempre com os tais "movimentos dos direitos humanos) o massacraria por ter matado um cara sem passagem pela polícia. E daí?! A polícia tinha a obrigação de preservar a vida da vítima, não a do algoz. Houve uma brutal inversão de valores. Ou seja, o coronel erra de novo ao dar importância para o que a imprensa e os "movimentos dos direitos humanos" diriam sobre o caso. Aliás, não vi nenhum defensor dos "direitos humanos" protestar contra o assassino. Depois reclamam porque são acusados de só defender os "direitos humanos" dos bandidos."

Ou seja, a polícia foi politicamente correta e isso causou a morte de uma menina de 15 anos. Claro que a culpa é do assassino. Alguém pode dizer, com toda razão, que a culpa foi, claro, do assassino e que não se pode culpar a polícia. Claro que a culpa foi do assassino. Isso é que justificaria a intervenção policial violenta (o uso de um atirador de elite), depois de esgotadas as chances de negociação - o que já se configurara logo no segundo dia. Quanto ao desempenho da imprensa, recomendo a leitura do texto do Marcelo.

quarta-feira, outubro 29, 2008

One way racism

A CBC está fazendo uma série de reportagens sobre as eleições americanas - no mesmo estilo da que a Globo faz no JN. Na cidadezinha de Chilicothe, no estado-chave de Ohio, um grupo de republicanos expunha as razões para não votar em Obama. Um deles perguntou qual o nome do meio de Obama. Houssein. Islâmico demais para os padrões conservadores. Racismo? Certamente, dirá a maioria. OK, é compreensível.

Em seguida, um outro cidadão sentado à mesa faz o comentário que acho o mais fundamental em toda esta campanha americana em que um negro tem todas as condições - e o dinheiro - para chegar à Casa Branca. Segundo ele, 90% dos negros votarão em Obama porque ele é negro. Tudo certo até aí. Mas se os brancos fizerem o mesmo com McCain, ah, isso sim é racismo!

Esse é só mais um exemplo do que eu chamo de "one way racism". Ou seja, o racismo é uma via de uma mão só. Só vale quando os negros são as vítimas. Nós tivemos aqui um exemplo disso, quando uma ex-ministra (ou secretária, sei lá) de Lula disse claramente que não considera racismo de um negro contra um branco.

O que está por trás de tal raciocínio? Curiosamente, não é a idéia, básica, de que todos são iguais perante a lei, sem distinção por qualquer de suas características físicas. Muita gente "progressista" considera plenamente aceitável dizer que vai votar em Obama porque ele é negro. Ou que vai ser benéfico para os EUA ter o primeiro presidente negro da história. Não vê nisso nenhum contrasenso em relação a todo o ideário anti-racista que, felizmente, parece estar avançando - pelos menos nas sociedades civilizadas.

Justificar o voto em Obama pela cor da sua pele é uma ofensa ao próprio candidato. Ele tem quase todas as qualificações para assumir a presidência da nação mais poderosa do planeta: é bem formado, culto, inteligente, elegante e um ótimo orador (já falei aqui que um discurso dele na campanha de John Kerry me manteve acordado por horas numa madrugada de 2004). Mas lhe falta uma: experiência administrativa.

Apesar disso tudo, considero Barack Obama um fenômeno de mídia - no Brasil, comparável a Fernando Collor. Caiu nas graças da imprensa por ser um candidato cem por cento politicamente correto. As duas campanhas nos brindaram com peças de propaganda que entrarão para a história. Collor e seu "caçador de marajás". Obama é ainda pior: "nós podemos". Tão sólido quanto uma bolha de sabão.

Uma observaçãozinha, antes de terminar. Uma pesquisa da Reuters de ontem ou anteontem trouxe uma diferença de menos de 4% entre os dois. Ou seja, empate técnico. Quer dizer que mesmo com a avassaladora e milionária campanha o Obama vai ganhar - se ganhar - apertado? McCain não é tão fraco assim.

Mantega, o visionário

Nós, brasileiros, somos mesmo sortudos. Sorte de termos um ministro da Fazenda que ontem - isso mesmo, ontem! - nos alertou de que a crise financeira será severa e longa. Agora, sim, eu acredito. É um visionário. Antecipou-se a todos e fez o favor de, antecipadamente, nos abrir os olhos para os dias que estão por vir. Quanta celeridade! Agora vai.

Mantega é um dos piores entre os que já vi ocupar aquele cargo. Cada entrevista dele é motivo de risada para os que entendem de economia - o que não é o meu caso. Com aquela animação que lhe é peculiar, decorada com um indefectível sorriso amarelo, desfia ladainhas do mais puro senso comum.

Ontem, para tentar animar os "consumidores", contou que comprou um imóvel. Em quantas vezes, ministro? Cem? Não, não, em dez prestações, diretamente com o proprietário. Viram como é que se faz? Vocês que não compram uma casa em dez vezes são um bando de idiotas.

O cara queria animar o mercado e acabou confessando que também não se arrisca na crise. Como é que tamanha cavalgadura dá aulas numa das principais universidades do país, eu não sei. Aliás, sei, sim. Lá, há muitas cavalgaduras como ele.

domingo, outubro 26, 2008

À frente, o atraso

Às vezes eu acho que há muito de paranóia nas cruzadas anti-petistas que varam a internet. Muitos dizem que é uma perda de tempo combater gente que, daqui a dois anos, será defenestrada do poder. Mas o problema parece ser bem maior.

Vejam, por exemplo, a que ponto chegou uma das maiores universidades brasileiras. Depois do cara que meteu a mão no dinheiro da pesquisa pra montar um apartamento luxuoso, agora é a vez de um grande pesquisador assumir a reitoria da UnB. Vejam só o currículo da figura!

Bom, isso nem chega a me surpreender. Assim como a aqueles que leram esta matéria que eu fiz pro Valor Econômico, em 2006. A picaretagem já está instalada naquela "universidade" há muito tempo.

Ah, dêem uma espiada no nível dos comentários no blog do professor Marcelo Hermes, um dos que ainda se preocupam em combater a mediocridade que grassa pela UnB. Há, inclusive, ameaças. Gente de baixíssimo nível. Um deles, inclusive, acusa o professor de passar informação para o "império" pelo fato de publicar em inglês. A UnB vai passar a ter um campus em cada acampamento do MST. É o brasilzão a caminho do obscurantismo total.

sexta-feira, outubro 24, 2008

Ecos da ditadura

Até a Economist entrou na discussão sobre a exdrúxula exigência de diploma de jornalismo e registro no Ministério do Trabalho para o exercício da profissão de jornalista no Brasil. O Marcelo Soares traduziu o texto aqui. E uma polêmica recente você pode ler no blog do Maurício Tuffani.

Eu sou jornalista formado e defendo o fim da exigência do diploma. O mercado é quem deve dizer que tipo de profissional pode ou não trabalhar em jornais, revistas, TVs, internet, etc. O resto é conversa de sindicalista.

terça-feira, outubro 21, 2008

Virou moda

Inspirados no delinqüente do ABC, os descornados do país todo resolveram que era hora de dar cabo de suas (ex) mulheres. Vejam estes dois casos aqui em SC - aqui e aqui.

O Marcelo Soares catalogou outros muitos casos recentes.

Aula de lógica


Esta é uma aula razoável sobre lógica formal. Na verdade, dedução natural. É a segunda parte de uma série longa, disponível no youtube (não coloquei a primeira parte porque é dispensável). Se quiserem assistir às seguintes, é só procurar ali mesmo.

Gianetti quer salvar o planeta


O Osame Kinouchi, do SemCiência, desconfia que Eduardo Gianetti virou esquerdista. Pela entrevista acima, pode-se ver que essa não é uma desconfiança sem fundamento. Gianetti parece ter caído no lugar comum do esquerdismo moderno - a paranóia ambientalmente correta.
Dá uma olhadinha no vídeo abaixo, Gianetti.

Save the planet


O chiste - ou deboche - é sempre a crítica mais contundente. Este é o melhor vídeo a que já assisti sobre a paranóia ambientalista.
(Via DVeras)

quinta-feira, outubro 16, 2008

Coincidência

Completando o post sobre a mágica eleitoral, a diferença entre o primeiro e o segundo colocados na eleição para prefeito de Balneário Arroio do Silva foi de quase mil votos - dez vezes maior do que a registrada na eleição anterior. Houve eleição que a diferença foi de 30 votos. Ou seja, o número absoluto de crescimento do colégio eleitoral foi muito parecido com a diferença de votos em favor do candidato vencedor. Pura coincidência.

Se somarmos a isso os casos em que um único candidato levou 100% dos votos do município teremos evidências fortes de fraude eleitoral em tempos de urna eletrônica.

quarta-feira, outubro 15, 2008

Quarta-feira negra

Nos mercados e aqui em Balneário Camboriú também; escureceu antes das quatro da tarde.

Mágica eleitoral

Alguém sabe me explicar como o colégio eleitoral de um municipiozinho aumenta de 5600 para 6500 eleitores em dois anos? Pois foi o que aconteceu em Balneário Arroio do Silva, no sul de Santa Catarina, terra da minha família.

Em tempos de urna eletrônica, as fraudes migraram dos chamados "votos-carbonos", "votos formiguinhas" e outros tantos para coisas mais complexas, como a transferência de domicílio eleitoral. Em municípios pequenos, onde a diferença de votos numa eleição para prefeito fica abaixo de 100, trazer eleitores de fora pode fazer toda a diferença.

E o que me chama mais a atenção é que a Justiça Eleitoral não está nem aí. Os partidos é que são obrigados a vigiar uns aos outros. A Justiça Eleitoral está mais preocupada com a escolha dos eleitores. Passou a campanha toda nos enchendo a paciência com aquela campanha do voto consciente - aquela dos quatro anos. Justiça eleitoral não tem nada que se meter no voto dos eleitores. Eles que decidam como quiserem.

A Justiça deveria era se preocupar com a lisura da votação. Como é que um colégio eleitoral cresce quase 20% em dois anos e a Justiça não desconfia de nada?!

quinta-feira, outubro 09, 2008

A Lógica no país das maravilhas

Lewis Carroll é famoso por ser autor do clássico Alice no País das Maravilhas. E confesso que só o conhecia por isso. Eis, então, que me deparo, surpreso, com o nome dele no livro de lógica que usamos no curso de Lógica II, na UFSC. Isso porque, além da tal Alice, ele também criou um joguinho muito interessante - os doublets de Carroll.

A brincadeira consiste em partir de uma palavra e chegar a uma outra completamente diferente, seguindo uma única regra: trocar apenas uma letra por vez, formando sucessivas palavras diferentes. Por exemplo, partir de "gato" e chegar em "paio": gato, rato, raio, paio; ou de "sol" para "lua": sol, sul, sua, lua.

Esses são exemplos bem fáceis. Você consegue sair de "deusa"e chegar em "diaba"? Ou de "professor" para "estudante"?

Mas que diabos isso faz em um livro de lógica? Como bem explica o professor Cézar Mortari, autor de Introdução à Lógica, a coisa toda é parecida com os sistemas formais axiomáticos: as palavras iniciais seriam os axiomas, a partir dos quais deriva-se novas fórmulas, seguindo as regras formação.

Como vocês já devem ter percebido, o o livro do professor Mortari é ótimo. Ele trata de lógica formal com uma desenvoltura incrível. Vocês podem ter idéia do que se faz numa aula de lógica espiando os exercícios na página dele.

quarta-feira, outubro 08, 2008

Melhor texto que li sobre a crise

O debate sobre de quem é a culpa pela crise econômica - se do excesso de liberalismo ou de intervenção estatal - esquenta. Este texto aqui é muito, muito explicativo. Contém informações que eu desconhecia, principalmente aquelas referentes às empresas que fomentaram a bolha imobiliária nos EUA. Percebe-se que a culpa deve ser dividida entre democratas e republicanos, já que tudo começou lá atrás, com Mr Clinton.
Via De Gustibus.

História americana...

... na Rádio 4 da BBC.

terça-feira, outubro 07, 2008

Notas de viagem

Voltei. Foram 15 dias de correria, ao melhor estilo viagem de turista. Enquanto o mundo desabava, eu e a Renata viajávamos. Escolhemos a dedo o período da viagem: dólar subindo, bancos falindo, crédito secando...

Na semana em que a crise recrudesceu, estávamos em Londres. É claro que tive tempo para ler jornais detidamente, mas, ao chegar em Paris, comentei com a Renata de que tinha impressão de que os europeus estavam achando graça da desgraça americana. Pelo que diziam algumas autoridades da EU, estariam imunes à crise. Seria a vitória do "modelo europeu" - seja lá o que for que isso signifique - sobre o americano. Dois dias depois, a CNN e a BBC só falavam nos bancos europeus que agonizavam.

Comprei a The Economist na manhã da sexta passada, antes de embarcar para Milão. Estava lá, em "Lessons from a crisis", maravilhosamente ilustrada com um desenho de Sarkozy lendo Das Capital. "One by one, European leaders have lined up to hail the triumph of welfare over Wall Street. 'The idea that markets are always right was a mad idea', declared the French president, Nicolas Sarkozy. America´s laissez-faire ideology, as practised during the subprime crisis, 'was as simplistic as it was dangerous', chepped Peer Steinbrück, German finance minister. He added that America would lose its role as 'financial superpower'. The italian finance minister, Giulio Tremonti, claimed vindication for a best-selling book that he wrote earlier this year about the dangers of globalisation."

Dessa vez era eu quem ria. A crise chegara ao Velho Continente, e o texto da revista inglesa era o único alento. "Step foward, Peer Steinbrück, Germany´s finance minister, who rashly declared on September 25th tha America was 'the source... and the focus of the crisis', before heralding the end of its role as the financial superpower. Within days, the focus shifted and Mr Steinbrück and his officials were obliged to arrange a 35 billion (euros) loan from German banks and the German government to save Hypo Real Estate, the country´s second-biggest property lender."

E por aí segue na ironia sobre os principais líderes europeus - ou melhor, da Europa Continental - que, independentemente de partidos, adoram o Estado.

segunda-feira, setembro 22, 2008

Recesso

Vou dar um pulinho ali na Europa e já volto em 15 dias. Claro que, se der, escrevo alguma coisa de lá. Por enquanto, visitem os endereços ali ao lado porque vale a pena.

segunda-feira, setembro 08, 2008

Enfim, inverno

A semana começou do jeito que eu gosto... fria. Muito melhor pra trabalhar do que aquele calorão.

Heráclito estava certo

"Tudo que viceja
também pode agonizar
e perder seu brilho
em poucas semanas.
E não podemos evitar
que a vida trabalhe
com o seu relógio invisível
tirando tempo de tudo
o que é perecível"
(Biquini Cavadão)

quinta-feira, setembro 04, 2008

quarta-feira, setembro 03, 2008

Douta picaretagem

Vocês podem dizer que estou sendo precipitado, mas se a magnífica reitora não quer divulgar o resultado da investigação é porque tem alguma coisa a esconder.

sábado, agosto 30, 2008

Programa

O currículo do curso de Sistemas de Informação é este aqui. Bem interessante. Mescla disciplinas mais "duras" com outras nem tanto. Um programa bem atual - se me permitem, bem século XXI.

sexta-feira, agosto 29, 2008

Passei

No ano passado, fiz vestibular para o curso de Sistemas de Informação, da UFSC. Sem estudar absolutamente nada, fiquei em 95º lugar. Como havia 100 vagas, eu deveria estar entre os aprovados em primeira chamada, certo? Não no mundo perfeito das cotas. Havia uma cota (para negros e alunos de escola pública) no meio do caminho. E vieram 14 outras chamadas e nada. Até a décima eu acompanhei, depois desisti.

Já tinha desencanado quando hoje recebi um e-mail da universidade informando que fui convocado na 16ª chamada! A matrícula é na próxima segunda-feira e nem sei se vou encarar mais esta.

O mais curioso é que, se eu tivesse optado pela cota de escola pública, a que tinha direito, teria pontuação suficiente para passar para qualquer curso da UFSC, com exceção de Medicina. Vejam só o nível dos alunos de escola pública!

quarta-feira, agosto 27, 2008

terça-feira, agosto 26, 2008

Ambiente nada científico

Não resisti. O texto de Luiz Felipe Pondé, na FSP, é tão bom, mas tão bom que vou colocá-lo na íntegra aqui.


Quem tem medo do macaco?

A universidade é um dos lugares menos democráticos do planeta

QUEM TEM medo de Darwin? A religião, dirão os mais apressados. E com razão, se pensarmos na obsessão do debate Deus versus Dawkins.
A verdade é que na universidade esse problema é menor e esconde uma briga muito mais feroz. A briga com a teologia é menos significativa por duas razões básicas. A primeira razão é que o darwinismo é materialista como as ciências "duras" enquanto a teologia não é, e por isso ela toma de dez a zero.
A segunda razão é que a teologia é a louca da casa (vive de favor na universidade, não é ciência nem filosofia), relegada ao lugar de vender Jesus como um bom parceiro em lutas sociais ou um bom amigo quando você está deprimido, por culpa dos próprios teólogos que barateiam Deus. Com exceção da medicina, nenhuma "ciência" deveria se comprometer com a felicidade porque ela sempre fica boba quando faz isso. Explico-me: ou a teologia rompe com a "felicidade" ou ela será sempre ridícula.
A briga séria é entre o darwinismo e as teorias que negam qualquer influência biológica definitiva no comportamento humano. Existe um pânico contra a psicologia evolucionista e o macaco no homem e a macaca na mulher. E como a universidade funciona em lobbies, com perseguições e inquisições, facilmente você pode calar alguém se ele ou ela não concordar com você. A universidade é um dos lugares menos democráticos do planeta.
Essas teorias que temem o macaco afirmam que tudo no humano é socialmente construído. Obviamente essas teorias acham que salvarão o mundo, construindo seres humanos livres de seus instintos indesejáveis. Dizem elas: dê uma boneca cor de rosa pra meninos e eles crescerão pensando que são Cinderela. Se a boneca for um bebê, o menino terá desejos de amamentar bebês. Se ensinarmos as meninas a bater nos outros, elas serão como Clint Eastwood.
Desde a caverna a humanidade está dividida em machos e fêmeas, com variações aqui e ali, e que devem ser respeitadas na sua diversidade. De repente é a "ideologia" que ensina você a "escolher" o sexo. Mentira: ninguém "escolhe" o sexo. A palavra "ideologia" deveria ser acompanhada com frases do tipo "o Ministério da Saúde adverte...". A facilidade com a qual deixamos de falar em "sexo" e passamos a falar em "gênero" (sexualidade construída socialmente) revela a superficialidade da idéia.
Qual o problema desse delírio? Por exemplo, ele invade as escolas, e os professores um dia dirão para as crianças que não existem machos e fêmeas na espécie humana e que hábitos morais são "pura invenção".
Professores de escolas costumam se viciar em pensamentos da moda. Essas modas pioram as já difíceis relações entre homens e mulheres depois da emancipação feminina. Por exemplo, essas modas dizem aos homens: sejam sensíveis e chorem. O problema é que a sofrida macaca na mulher, assustada ancestralmente com o parto dolorido e arriscado, tende a ser seletiva na vida sexual. De nada serve a ela, nunca serviu, machos que choram. Aí o marido chorão "dança", apesar do "coro do gênero" dizer o contrário. Dizem "tudo bem se o homem for sustentado pela mulher".
Imaginemos nossas mulheres ancestrais com barrigas grandes tendo que caçar para homens-macacos preguiçosos. Elas até podem, mas não gostam. Será que por isso a imagem de força, segurança e experiência entusiasmam nossas mulheres normais? Fêmeas promíscuas ficavam mais grávidas e há 100 mil anos isso aumentava o risco de morrer de parto e de carregar crias pesadas.
Sexo é fisiologicamente caro para as mulheres e barato para os homens, e isso não é ideológico. Nossas fêmeas inteligentes perceberam isso e "transmitiram essa natureza perspicaz para sua prole feminina". Na savana africana, deveria existir uma luta pelo direito ao pudor.
O fato é que ninguém sabe onde começa e termina a relação entre natureza e cultura. Qualquer afirmação nessa área é pura especulação. Um pouco de senso comum ajudaria os profetas da "natureza zero" serem menos delirantes: seria normal imaginar que somos uma mistura de natureza e cultura, coisa que qualquer pessoa comum sabe.
O lançamento da coleção de DVDs "Evolução" (ed. Duetto) é boa chance de conhecer o darwinismo sem medo e com bela apresentação visual. Da próxima vez que você for ao zoológico, olhe no olho de um chimpanzé e veja se não parece haver ali uma alma encarcerada como a sua.

Artigos imperdíveis

Dêem uma espiada no blog do Tambosi. Há links para dois artigos imperdíveis. O de João Pereira Coutinho é sobre o livro de Nigel Lawson sobre o aquecimento global. Leiam qualquer coisa escrita por Coutinho - sempre vale a pena. O de Luiz Felipe Pondé desanca o ambiente universitário no Brasil. Corram pra lá.

segunda-feira, agosto 25, 2008

Paisagens da minha terra


Este cenário maravilhoso fica no Vale do Araranguá, na divisa de Santa Catarina com o Rio Grande do Sul. Um espetáculo!

quinta-feira, agosto 21, 2008

Jornalismo e hipóteses

Dois acidentes no trecho catarinense da BR-101 com um mesmo modelo de carro - Honda Civic - me chamaram a atenção recentemente. No primeiro, morreu um advogado de Florianópolis. Menos de um mês depois, uma família inteira de São Paulo. Em ambos, os motoristas aparentemente perderam a direção do veículo. Ou seja, simplesmente saíram da pista sem conseguir fazer nenhuma manobra para reduzir o impacto. E noto que os trechos onde houve os acidentes são duplicados e com asfalto relativamente em bom estado de conservação.

Além, claro, das tragédias das famílias envolvidas, gostaria de analisar esses episódios do ponto de vista jornalístico. Em uma lista de jornalistas na internet, eu cheguei a sugerir que valeria a pena dar uma olhada mais de perto nesta história toda. Alguém replicou que apenas dois acidentes não significavam problema com os carros. Of course!

O que eu sugeri é que o assunto fosse investigado. Um jornalista deve ser aquele tipo que sempre duvida das coisas. Por isso é que somos chatos por excelência. Um bom repórter deve ter sempre uma pergunta na cabeça: "Será, mesmo?"

No caso dos dois acidentes, terá sido apenas coincidência? É um bom exemplo de que jornalista deve saber trabalhar com hipótese - e não com "tese", como se diz equivocadamente entre os coleguinhas. O que, num primeiro momento, pode parecer paranóia, pode se revelar uma boa história.

Buenas, mas onde estou querendo chegar? Aqui! A Honda fez um recall dos modelos Civic e Fit anos 2008. Um problema na válvula de combustível pode parar o motor. "[...]Algumas unidades podem apresentar vazamento e, em casos extremos, ocasionar a parada do motor, existindo eventual risco de acidente".

Claro que não há, ainda, - e pode nunca haver - relação entre o problema relatado pela empresa e os dois acidentes mencionados, mas é preciso levar essa hipótese em consideração. Mas apurar uma coisa dessas dá muito trabalho, e eu não estou em nenhuma redação de jornal.

sexta-feira, agosto 15, 2008

A coisa não tem limite

Seria trágico, se não fosse cômico. Vejam a que nível chega a estupidez de jornalistas e "universidades". Dei boas gargalhadas. Como diz o Aluizio, os "botocudos" estão soltos. Minha opinião está lá nos comentários ao post do Marcelo.

quarta-feira, agosto 13, 2008

Boteco virtual

Dizem por aí que nós, brasileiros, somos simpáticos, altamente sociáveis, etc. Assim, não haveria surpresa alguma no fato de nós, brasileiros, sermos maioria no maior site de relacionamento da internet, o Orkut. Tanto que a administração do site será transferida dos EUA para o Brasil.

Então, somos um povo chegado em tecnologia? Mas de que modo usamos essa tecnologia? A grande maioria dos brasileiros internautas resume a navegação aos serviços de bate-papo e de relacionamento. OK, não há problema nenhum em usar a tecnologia para facilitar a comunicação; é uma de suas funções.

Mas não será a internet sub-utilizada pelos internautas brasileiros? No puro "achismo", acho que sim. Outro dia um colega me disse que, se estamos entre os maiores usuários do Orkut, por outro lado, não somos assíduos freqüentadores da Wikipedia - como fornecedores de informação, não como usuários.

Onde é que eu quero chegar com isso? Queria saber qual o percentual de internautas que usam a rede para estudar (estudar mesmo, não copiar material)? Aprender uma outra língua, por exemplo. Ou fazer um curso à distância. Há farto material na rede, principalmente em inglês. Aí está outra limitação à atuação dos brasileiros; poucos sabem ao menos ler em inglês. Em resumo, a internet, para nós, brasileiros, não passa de um boteco virtual, onde só falta a cerveja gelada.

domingo, agosto 10, 2008

Demorou, mas chegou

O Vancouver Sun recorreu às leis de liberdade de informação dos Estados Unidos para requisitar documentos referentes à visita do presidente George W. Bush ao Canadá, no fim de 2004. Três anos e meio depois, alguns foram liberados. Entre eles, uma espécie de "guia protocolar", que explica algumas peculiaridades do vizinho do Norte. Algumas fazem sentido, como características lingüísticas (o "caipirês" canadense, por exemplo), mas outras são hilárias - como mandar tirar o chapéu em ambiente fechado e os óculos escuros, quando conversar com alguém.
A Casa Branca explicou que o manual anti-gafe no Canadá foi elaborado para os assessores menos graduados - os bagrinhos - e não para o presidente. OK, then.

terça-feira, agosto 05, 2008

Canadá

Achei vários vídeos interessantes sobre o Canadá. E, claro, muitos outros sobre um monte de coisas.

Espírito olímpico

É nisto que dá realizar Olimpíadas em país não civilizado. (Ah, mas a civilização chinesa tem tantos mil anos, blá, blá, blá... Não interessa. Não assimilaram os valores da civilização contemporânea, dos quais a democracia é o principal).
Espero ver mais protestos de atletas contra a ditadura chinesa. Que sejam tão duros com os chineses quanto são com Cuba.

Na terra dos barnabés

Brazilians chase civil servants' "train of happiness"
Thu Jul 24, 2008 12:08pm EDT

By Raymond Colitt

BRASILIA (Reuters) - Late into the night, students diligently
rehearse exam questions at dozens of schools in downtown Brasilia
that offer people the chance for a better, more prosperous life --
that of a Brazilian bureaucrat.

Generous pay, stability, and often easy hours will attract
applications from as many as 10 million people this year for civil
service jobs. Brazilians often refer to getting a government job as
catching the "train of happiness."

In a country with glaring poverty, grossly inadequate public
services and a towering public debt, civil servants do very well, as
the many luxurious homes with pools, servants and shiny cars in the
capital Brasilia's residential areas show.

There are an average of 700 applicants per job and some candidates
study for years to pass an entry exam.

"My parents are civil servants and I want the pay and security they
have so I can buy a house and other things," said Rodrigo Hugueney,
a 19 year-old law student in the capital Brasilia. He is applying at
one of the two state-owned banks.

The problem is that Brazil's bloated public sector is a burden on
business and the economy, leaving little money to invest in
education or infrastructure.

Business leaders frequently complain about excessive red tape and
the complex maze of requirements they face in getting environmental
licenses of even filing their taxes. Rather than slashing jobs, the
government is adding more.

Despite an economic boom in recent years, Brazil ranks poorly in
international competitiveness comparisons, due mostly to an unwieldy
state apparatus that consumes about 38 percent of gross domestic
product.

An accountant or administrator in one of the gray-green ministries
that flank the main avenue of Brasilia's government quarters can
earn more than 10,000 reais ($6,330) a month, or roughly 20 times
the minimum wage.

A police inspector or public prosecutor can bring home twice as
much, the equivalent of around $150,000 a year. In contrast,
Brazil's per capita national income stands well below $10,000
annually.

In addition, most civil servants cannot be fired unless they break
the law and many receive pensions worth 100 percent of their last
salary upon retirement.

Such benefits resulted mostly from years of pressure by unions and
politicians eager to satisfy their constituents.

In some government agencies, such as the Federal Police or National
Revenue service, rigorous hiring, training and performance controls
improved efficiency.

But many areas remain plagued by incompetence, overstaffing and
corruption, says Jose Matias Pereira, a public administration
professor at the University of Brasilia.

"The public sector needs a major reform, a more corporate
management. But, unfortunately, that's not in sight," he said.

TWO-HOUR LUNCHES

Experts say the work ethic has improved in recent years but remains
lax, and two-hour lunches still cause traffic jams at midday in
Brasilia.

"People don't hang their coats and leave for the day anymore --
things have changed," said Jose Wilson Granjeiro, who was a civil
servant for 17 years and runs a school to prep candidates in
Brasilia.

"Now you work six hours or whatever and then do another job, you can
easily double your income," he added.

Only a public outcry this month stopped ruling party and opposition
senators from appointing themselves another well-paid staffer each,
posts widely thought to favor friends or political allies.

Opinion polls show that less than 1 percent of Brazilians trust
Congress, which has been plagued by corruption scandals.

President Luiz Inacio Lula da Silva, a former union leader, cut some
pension benefits during his first year in office but since has hired
as many as 95,000 civil servants and is expected to hire 56,000 more
by next year in part to help replace cheaper, outsourced labor.

Despite the tax burden, union leaders are pleased.

"We're rolling back privatization, which wanted to cut our
benefits," said Sergio Ronaldo da Silva, director of the Condsef
civil servants confederation.

(Additional reporting by Ana Paula Paiva; Editing by Kieran Murray)

segunda-feira, agosto 04, 2008

Massacre

Santa Catarina tem apenas 1% do território do país, mas está sempre entre os primeiros estados em números de acidentes de trânsito. Nos feriados, quando a polícia faz aquelas operações especiais, o Estado quase sempre aparece em segundo lugar, atrás apenas de Minas Gerais, que tem a maior malha viária do país.
Alguém deveria estudar isso seriamente. Agora vejam quantos morreram só no último fim de semana nas estradas catarinenses. Isso em plena vigência da "lei seca"!

UFSC entre as melhores

A UFSC é a sétima melhor universidade da América Latina - e a 381ª do mundo. No Brasil, só perde para USP, para Unicamp e UFRJ. Ou seja, está na frente da UFRGS!
Via blog do gaúcho Cristiano Costa :)

Economia é isto

Deixo este artigo para começar a semana em grande estilo. Cheguei a ele pelo Resistência.

quarta-feira, julho 30, 2008

Coisa de primeiro mundo

Vejam como são tratados os acidentes de trânsito em países desenvolvidos como o Canadá. Por aqui, nada parecido. As pessoas morrem às pencas nas estradas e praticamente não há investigação das causas dos acidentes - a maioria, provocada por imprudência dos motoristas.

terça-feira, julho 29, 2008

Incrível


Esta é uma simulação de um incidente de um vôo da Air Canada. Vejam só a perícia destes pilotos. Precisávamos de alguém assim pilotando "effepaiff".
(Via building bridges)

segunda-feira, julho 28, 2008

Aurora boreal



Com a boca na botija

É por estas e outras que a PRF tem a pior imagem possível! Patrulheiro rodoviário é quase sinônimo de "propineiro". Posso assegurar que há muitos policiais corretos, mas o índice de corruptos na corporação é absurdamente alto.
Se mais motoristas fizessem como o caminhoneiro da matéria linkada, faltaria cadeia para botar todos os policiais corruptos. Mas a maioria prefere molhar a mão dos guardinhas, mesmo.

Parabéns!!

Meu grande amigo Giancarlo, do Casa Proença, está de aniversário hoje. Parabéns, meu velho. Muitos anos saudáveis de vida. Tudibom.

domingo, julho 27, 2008

Alguma coisa etsá froa da odrem

Vejam que interessante. De aorcdo com uma peqsiusa de uma uinrvesriddae ignlsea,não ipomtra em qaul odrem as Lteras de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia Lteras etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma bçguana ttaol, que vcoê anida pdoe ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa Ltera isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo.

E5T3 P3QU3N0 T3XTO 53RV3 4P3N45 P4R4 M05TR4R C6MO NO554 C4B3Ç4 CONS3GU3 F4Z3R CO1545 1MPR3551ON4ANT35! R3P4R3 N155O! NO COM3ÇO 35T4V4 M310 CO4PL6C4DO, M45 N3ST4 L1NH4 SU4 M3NT3 V41 D3C1FR4N8O O CÓD1G3 QU453 4UT7M4T1C4M3NT3, S3M PR3C1S4R P3N54R MU1T5, C3RTO? POD3 F1C4R B3M OR5UL1O5O D155O! SU4 C4P4C1D4D3 M3R3C3!

Não é fscianante?

sábado, julho 26, 2008

A última aula



Do Folha online:
Morreu nesta sexta-feira (25) o professor norte-americano Randy Pausch, 47, que ganhou fama em razão do vídeo de sua "Última Aula", ministrada poucas semanas após ele ter descoberto possuir um câncer grave. O filme virou "hit inspiracional" na internet.

sexta-feira, julho 18, 2008

Nova Amélia



Eliana Pittman costumava estar nas fitas cassete de meu pai, nos 70 e 80.

Incendeia

Eis um exemplo de por que a Globo faz hoje o melhor jornalismo nesta Bananão - entre jornais, revistas e TV. Há uma distância abissal entre ela e a sua nova concorrente. A TV dos bispos se alinha claramente ao desgoverno Lula.

Do Painel da FSP:
Profilático. O objetivo da divulgação seletiva da fita da reunião que decidiu pelo afastamento de Protógenes Queiroz da Operação Satiagraha, diz um palaciano, foi "fazer as pessoas desconfiarem de quem passa informações incendiárias". Um alvo é o "Jornal Nacional", da Globo, cujas edições irritaram o governo.

"Incendiárias", é bom que fique claro, são todas as informações que desagradam a este governo muito democrático. Ou, ainda, aquelas jornalisticamente relevantes.

Inteligência no futebol?

Isto é tão bom que vou colocar na íntegra aqui.
Xico Sá, na FSP.


AMIGO TORCEDOR , amigo secador, comovente quando alguém, no mundo do futebol, usa a inteligência uma vez só, como na canção de Roberto e Erasmo. Só na guerra o homem consegue cota de estupidez maior que no esporte. Somos tapados, burros de tropeiros quando esse gênero de paixão nos abate como a uma desprotegida mocinha de Paranapiacaba.
O futebol nos une na estupenda jumentice existencial. Boleiros, torcidas, homens da latinha, gente da crônica e todos os cavaleiros de mesas redondas. Do mais crítico ao mais jabazeiro, digo, os Faustos ludopédicos que vendem até o vento engarrafado. Embora ajam mais por "malandragem regular profissional", para citar o evangelho segundo Chico, do que por qualquer religião ou crença, até os cartolas fogem um segundo da estupidez humana.
Repare no caso do Santos, o maior time de todos os tempos, o único capaz de parar uma guerra, como se deu em 1969 no Congo Belga, quando Pelé valia mais do que todos os falsos poderosos da ONU. Quando todos nós, por perversão ou burrice, achávamos que Cuca seria demitido, a diretoria decide mantê-lo. Palmas! Devemos agradecer ao Cuca, quase um solitário no ramo que junta caráter e futebol bonito, pelo milagre da sua existência nos dias de ira. O mais louco é que esse mesmo Santos sem vitórias, sob o temor do rebaixamento, tem tido os mais incríveis lampejos de arte. O começo do jogo contra o Figueirense, com Kleber Pereira qual uma venenosa flecha negra, foi um espetáculo.
Contra o Grêmio, nem se fala, o Peixe teve de novo os melhores 15 minutos de todos os clubes do certame. Com um gol, de um dos tantos Michaéis da Vila, que mais parecia uma obra de Michelangelo.
Quem é melhor do que Cuca no futebol brasileiro? Creio que só o Muricy Ramalho, esse sim um gênio sem o foguetório do marketing e da falsa glória. Apesar da burrice de muitos torcedores, obra milagres. À prova de janelas européias, é o cara que dá certo na base do "já que não tem tu, vai tu mesmo". O São Paulo joga com mil desfalques, ele pega um moleque e diz: "Obedece à natureza, vai lá no rastro do que o outro fazia, como um vira-lata atrás de um tatu nas primeiras chuvas nos sertões, essas coisas que se repetem como quem anda nas mesmas veredas".
Aliás, chega de queixas à exportação de boleiros. Eu sempre blasfemava, até que uns sábios leitores, que usam a inteligência não apenas uma vez só, convenceram-me de que era uma baita chance para moleques subirem na vida. Basta pegar a balança comercial de humanos e ver que até o Icasa, meu time de infância em Juazeiro, exporta craques. É, amigo, no futebol, mais que o amor, é difícil usar a inteligência.
Como fez Caio Júnior, nosso Harry Potter, ao preferir o calor da massa rubro-negra à incomunicabilidade lastreada em petrodólares.
Mais vale um sorriso banguela de um flamenguista da praça Saens Peña que um ranger de dentes de ouro de um xeque. Sem se falar nas bundas, claro, que de tão lindas mal cabem nesta crônica. Mais vale meia bundinha na fila de uma padaria na Tijuca, cabelo cheirando a Neutrox, do que todos os mistérios guardados e todas as elipses de uma burca.

quinta-feira, julho 17, 2008

Matar, poooode!

No Brasil é assim: se você matou duas pessoas, ou roubou dinheiro público a dar com um pau, não tem problema nenhum. No primeiro caso, não fica nem seis anos na cadeia - cumpre o "resto" da pena em liberdade. Já no segundo caso, nem algemas você pode usar porque, certamente, será um abuso, uma afronta a um bandido de colarinho branco.
Agora experimente roubar um sabonete! Ou, então, atrase o pagamento de impostos de sua pequena empresa. Isso não pode. É crime hediondo!

As impropriedades de Gilmar

Muito melhor do que os meus pitacos despejados nesta página virtual são os juízos de Ilton Dellandréa (juiz aposentado). Veja o que ele diz sobre a operação Satiagraha. Sim, Gilmar Mendes suprimiu um grau de jurisdição: o recurso contra a segunda prisão de Daniel Dantas (preventiva) deveria ser analisado, primeiro, pelo Tribunal imediamente acima do juiz que ordenou a prisão. Além disso, o pito passado por Mendes no juiz De Sanctis não é procedimento aceitável para um magistrado. Mas não percam tempo aqui. Corram pra lá.

quarta-feira, julho 16, 2008

Petralhas são contra investigação da PF

Algumas (para não dizer muitas) coisas não fazem sentido neste episódio todo da prisão de Daniel Dantas. Os críticos do ministro Gilmar Mendes, por ter mandado soltar Dantas por duas vezes, estão sendo acusados de "petralhas". Seriam petistas revanchistas tentando fazer a luta de classes pela via judiciária. Dantas deveria mofar na cadeia para vingar a exploração da "classe trabalhadora" pela "zelite".

Engraçado. A mim ocorre justamente o contrário. As investigações não foram abafadas para impedir que chegassem ao Planalto e a outros gabinetes importantes da República? Ora, nesse caso, quem está contra a investigação está a favor de Lula. "Petralha", mesmo, é quem defende a libertação de criminosos só porque usam colarinho branco. É cristalino.

É claro que houve excessos na tal de Satiagraha - assim como houve em todas as outras. Não gosto do espetáculo, também. Mas, como diriam os "adevogados" é preciso discutir o mérito da questão. A Veja desta semana lista 20 escândalos dos governos FHC e Lula nos quais Dantas teve participação. Dantas não tem lado, não tem partido. Seu partido é o dinheiro - sujo, de preferência. Isso é jornalismo sério. Não fica escondendo informação só para dizer que o Lula é a razão de todos os males "defepaiff". Como os próprios petistas alegaram no escândalo do mensalão, eles são só mais alguns entre os bandidos da alta sociedade.

Aos fatos

Andam dizendo por aí que criticar o STF é golpear a democracia. Que criticar o Judiciário não se pode, já que o Executivo é pior, porque lá está Lula, etc., etc., etc. Como se uma coisa excluísse a outra. Um primor de lógica.

De minha parte, pelo menos, não é. Odeio ditaduras. E o Judiciário é um dos poderes da República. Deve, pois, ser preservado.

Isso não quer dizer que não possa ser criticado. A minha crítica é para fortalecê-lo. Explico. Essa bagunça toda deve servir para que os critérios de constituição do STF - como de todos os outros tribunais - sejam revistos. Cada presidente da República se apressa em nomear o maior número possível de ministros. Quer, claro, ter homens de confiança na mais alta corte do país. Não esqueçam: Nelson Jobim já a presidiu!

Agora, coisa bem diferente é o que o Psol quer fazer: que os ministros do STF ouçam o "clamor popular" e revejam o habeas corpus concedido a Daniel Dantas. Ora, decisão judicial deve seguir a lei, não esse tal de "clamor popular". Mas o que esperar dessas viúvas do que um dia se chamou "socialismo" - que, na verdade, deu foi em ditadura.

Podemos criticar a forma como o tribunal é formado, sim, mas nunca desobedecer às suas decisões. Gilmar Mendes mandou soltá-lo? Pois solto deve ficar.

Tudo isso é mera opinião minha. Os fatos são muito mais interessantes. E eles estão aqui. E mostram que a celeridade com que tiraram Dantas da prisão é exceção na corte onde manda Mendes e já mandou Jobim, o homem que estuprou a Constituição.

terça-feira, julho 15, 2008

"Lá em cima" tá tudo dominado

O Jornal Nacional de hoje mostrou gravações de assessores de Daniel Dantas dizendo que o medo dele era com a primeira instância do Judiciário, pois "lá em cima", nos tribunais superiores, não haveria problema. E, claro, tem petista metido. Engraçado; há petistas dos dois lados: querendo pegar Dantas e querendo livrá-lo da cadeia.

Isso já havia aparecido de relance em outras matérias e me faz desconfiar de ministros do STJ e STF. Quando, em outro post, critiquei o STF, não foi para desmoralizar a instituição. Pelo contrário. Minha crítica é justamente nos critérios adotados para compô-lo - a indicação política. Isso, sim, é que enfraquece a instituição.

Questionar o comportamento de ministros dos tribunais superiores não significa questionar o funcionamento da instituição, fundamental para o regime democrático.

As discussões sobre essa última operação da Polícia Federal têm, invariavelmente, tomado um rumo político. Os que são anti-Lula, criticam-na. Se a PF é do governo, do governo Lula, então devemos ser contra. Ao fazê-lo, esquecem-se de quem é Daniel Dantas.

O clima de arquibancada toma conta das mentes: se você critica alguém que também é criticado por um petista qualquer, automaticamente também se torna um deles. O maior chapa-branca do país, Paulo Henrique Amorim, criticou o STF? Você também criticou o STF? Ora, então você não passa de um sabujo tal e qual o jornalista governista. E assim segue o Brasilzão.

Minha crítica em relação ao STF é uma só: por que não age de maneira célere em todas as situações, seja lá quem for o pobre (ou rico) coitado que esteja precisando de um habeas corpus? Por que o STF manda soltar todos os manda-chuvas imediatamente? Por que não há nenhum deles preso (inclusive gente condenada, como Pimenta Neves)? Nem o Maluf!! Agora, experimente roubar um xampu!

sábado, julho 12, 2008

Dantas e o PT

Relações íntimas.

Aos amigos, a celeridade

Gilmar Mendes conseguiu granjear contra si a ira de juízes, procuradores, delegados da PF. Aqui, um brilhante artigo de um procurador do RS.
Pode-se acusar Mendes de tudo, mas fez algo relevante: ao mostrar a quem continua servindo, deu início à discussão sobre por que os tribunais superiores são tão céleres em livrar a cara de bandido de colarinho branco. Enquanto isso, os não amigos dos ministros mofam na cadeia.

Sejamos francos: o que esperar de uma corte que teve como presidente Nelson Jobim - o homem que se orgulha de ter fraudado o texto constitucional??

quinta-feira, julho 10, 2008

Duas PF

Bob Fernandes conta os bastidores da última operação da PF (esse negócio de batizar prisão de vagabundo com nomes engraçadinhos é um saco!). Há duas PF: a do PT e a tucana - pra ser bem simplista. Bob sempre teve boas fontes na PF - na petista, claro. Mas vale a leitura, apesar do texto indefectivelmente pretensioso.

sexta-feira, julho 04, 2008

Lula lá

Imagina se ele vai perder uma festinha - principalmente às nossas custas. Será que vai competir em levantamento de copo? Ou revezamento de microfone? Ou ainda escalada de palanque?

quarta-feira, julho 02, 2008

domingo, junho 22, 2008

Liberdade de expressão ameaçada

A patrulha politicamente correta dos "direitos humanos" está fazendo estrago também no Canadá. Sim, sim, aquele é um país bem PC. Chega ao absurdo de ter uma comisão de direitos humanos com poderes paralelos ao do sistema judiciário. Matéria da CBC.

quinta-feira, junho 19, 2008

Popper no rádio??

Em que rádio você poderia acompanhar um programa sobre filosofia da ciência, Karl Popper, Círculo de Viena, racionalidade científica, falseabilidade e outros assuntos tão corriqueiros quanto estes? Em alguma estação da Radio One da CBC, of course. Claro que na madrugada, né - agorinha mesmo -,e pra quem manda bem no inglês.

Nature sucumbe

A Nature publicou um trabalho sobre aquecimento global sem nenhuma checagem de dados. O critério de peer review falhou vergonhosamente. O embuste foi desmascarado pelo matemático Douglas Keenan.
O lobby boboca - mas poderoso - dos ecochatos de plantão é tão violento que dribla o sistema de publicação de trabalhos científicos na mais prestigiada revista científica.

(via Blog do Tambosi)

terça-feira, junho 17, 2008

Stalinismo bolivariano

Dois jornalistas mortos na Venezuela em menos de um mês. Pura coincidência serem eles opositores do governo bolivariano. Leia a matéria do Estadão.

segunda-feira, junho 16, 2008

Preciosidade

Como estou tentando me alfabetizar nestas coisas de tecnologia, descobri um site maneiríssimo: apostilando. Nele você consegue baixar apostilas sobre os mais variados assuntos relacionados a informática, desde uma introdução ligeira ao Excel até lógica de programação. Se quiser, pode ajudar a manter o site grauito comprando dois cds utilíssimos.

Eita, cultura!

Em tempos de festas juninas, o Fantástico deste domingo voltou ao assunto "balões". Um menino morreu queimado ao ser atingido por um balão. Na semana passada, uma mulher foi queimada enquanto dormia depois de um balão entrar pela janela do apartamento. Um deles caiu bem ao lado de um avião no aeroporto de Cumbica.

Mas o que mais me chamou a atenção foi uma entrevista com um bando de velhos defendendo o direito de soltar balões. Se uma refinaria pegar fogo? Culpa da refinaria, oras! Entre os vagabundos que não têm mais o que fazer, há coronéis da PM e oficiais das Forças Armadas aposentados.

Ao ser questionado sobre a ilegalidade de soltar balões, um deles sapecou que "a lei é ilegal; nós não reconhecemos essa lei". Viram só? Na democracia bananeira é assim: não gostou de uma lei? Então, ignore-a. E assim o país avança... para trás.

A alegação desses picaretas é que soltar balão faz parte das "manifestações culturais". Um deles teve a coragem de soltar a estupidez de que um balão não representa perigo às aeronaves porque se desfazem antes do impacto por causa do deslocamento de ar!!

Engraçado, não vi nenhuma "ong" criticando esses irresponsáveis que põem fogo por aí. Ah, já sei! É porque não morreu nenhum mico-leão-dourado queimado - só gente.

sexta-feira, junho 13, 2008

Vancouver entre as melhores

Há várias pesquisas sobre as cidades de melhor qualidade de vida do mundo. Em nenhuma delas aparece uma cidade americana entre as dez primeiras - posições ocupadas por cidades européias (principalmente da Suíça, Áustria e Alemanha), canadenses e australianas. Na da The Economist do ano passado, havia três canadenses entre as dez melhores - Toronto, Calgary e Vancouver. Nesta da BusinessWeek, Vancouver está em quarto lugar, e Toronto, em décimo quinto. Dá para entender, agora, por que queremos ir pra lá?

quarta-feira, junho 11, 2008

Menos notícias; mais informação

Ainda sobre a questão dos jornais, este foi meu comentário lá no blog do Tambosi.

"Este é um tema pelo qual tenho predileção. Discordo de que os jornais são bons na cobertura factual. Ser bom na cobertura factual, nesta altura do campeonato, com internet, TV e rádios, é ser um mau jornal.
Na minha opinião, os diários devem abandonar a cobertura factual e concentrar os poucos recursos de que dispõem na produção de reportagens exclusivas. A tendência do USA Today está ficando para trás.
Prefiro o WSJ. O jornalão de economia traz uma coluna na primeira página com notinhas das notícias do dia anterior. Já as matérias são todas não-factuais e, a maioria, exclusiva. E isso não é só porque se trata de um jornal de economia.
De que adianta um jornal simplesmente repetir o que dá noticiaram os veículos online e a TV no dia anterior? A Folha chega ao absurdo de manchetear qualquer bobagem dita pelo presidente (este e os anteriores). E esquecem de cobrir o que realmente interessa na política.
O único jornal que tende para o bom caminho, no Brasil, hoje, é o Valor. O Globo tem boas equipes de jornalismo investigativo, a exemplo da TV Globo.
As revistas semanais já deixaram de ser semanais. Suas capas tratam de temas com menos perenidade - uma matéria sobre saúde (ou doenças) pode ser lida tanto agora quanto daqui a seis meses. E os jornais devem ocupar o lugar deixado pelas semanais, com matérias analíticas e reportagens especiais.
Acho que isso não vai trazer mais custos; é só uma questão de melhor aproveitar os recursos - financeiros e humanos. O dia-a-dia as agências de notícias já cobrem."

domingo, junho 08, 2008

O velório dos jornais

Cheguei a esta matéria da Folha de S. Paulo (para assinantes) via blog do Tambosi. Na verdade, é uma tradução de um texto da New Yorker de março deste ano, sobre o futuro dos jornais impressos.


Seguem alguns trechos (num outro post deixo a minha avaliação):

A maioria dos executivos reagiu ao colapso de seu modelo de negócios com uma espiral de cortes orçamentários, sucursais fechadas, fusões, demissões e reduções de formato e entrelinha. De 1990 para cá, um quarto dos empregos no ramo jornalístico desapareceu. A colunista Molly Ivins [1944-2007] reclamava, antes de morrer, da solução dada pelas companhias aos problema: "Tornar o produto menor, inútil e desinteressante".

O jornalismo de verdade, em especial o investigativo, é caro, não cansam de lembrar; compilação e opinião são baratos.

Em outubro de 2005, numa conferência em Phoenix, Bill Keller reclamou dos blogueiros que apenas "mastigam e reciclam notícias", em contraste com o "jornalismo de verificação" do "Times".

"Os blogueiros não mastigam notícias, eles cospem notícias", protestou Arianna Huffington numa postagem em seu blog. Como muitos blogueiros de esquerda, ela se irrita com a idéia de que a imprensa tradicional é superior à blogosfera quando se trata de publicar a verdade mais dolorida.

Mas Huffington não tem o que dizer sobre a relação parasitária que quase todos os sites mantêm com o jornalismo impresso.

Assim, por mais que se simpatize com os ataques de Huffington ao "Times" e com as críticas de Edsall ao "Post", é impossível não se preocupar com o que será feito das notícias e da democracia quando não houver mais jornais que invistam seus recursos e seu orgulho profissional na tarefa de trazer a nós, mesmo que imperfeitamente, a informação que precisamos ter.

Mas a transformação há de gerar sérias perdas. Os jornais ajudaram a definir o sentido dos EUA para seus cidadãos. Para escolher uma data ao acaso, na manhã de 11 de fevereiro eu fui buscar a versão impressa do "Times" na porta de casa e, além das notícias que eu poderia encontrar em qualquer lugar -Obama vencendo Hillary de novo, e George W. Bush tentando condenar à morte seis prisioneiros de Guantánamo-, a primeira página trazia uma combinação única de artigos e matérias que, sem uma instituição que as gerasse e publicasse, jamais fariam parte de nossa consciência coletiva: uma reportagem de Nairóbi, por Jeffrey Gettleman, sobre o impacto da violência étnica no Quênia na classe média local; uma nota de Doha, por Tamar Lewin, sobre o avanço das universidades americanas no Qatar; e, num furo que o Huffington Post depois viria a reproduzir, uma matéria de Michael R. Gordon sobre um estudo da Corporação Rand que criticava a atuação de Bush no Iraque.

A internet conseguirá lançar a mesma "luz" sem os exércitos de jornalistas e fotógrafos que os jornais tradicionalmente empregaram? É uma questão que talvez os democratas mais ardentes não queiram responder.

terça-feira, junho 03, 2008

Lá é piorrr

Pensando bem, este escândalo aí do pessoal de SC é fichinha perto do que acontece no RJ. Há tempos venho dizendo que aquela é uma cidade decadente, com o perdão dos cariocas.

Vejam que interessante é esta explicação do que acontece por lá no mundo da política/polícia. A economia, cada vez mais, é uma ciência sobre o comportamento das pessoas.

Mais um escândalo

Mal ou bem, os escândalos de corrupção do governo federal são acompanhados pela imprensa nacional. Já as picaretagens perpetradas nos cafundós "deffepaiff" tendem ao esquecimento.

Por isso é chamo a atenção para mais este escândalo envolvendo as mais altas autoridades do governo de Santa Catarina. Chefes do Executivo e do Judiciário comprando matérias numa editora que publica uma revista vendida de um picareta de Blumenau.

Está tudo lá no blog do César Valente. E alguns ainda falam em "Sul maravilha". Maravilha para uma meia dúzia de privilegiados, agraciados com benesses às custas do dinheiro público.

quinta-feira, maio 29, 2008

Por pouco

Como vocês já devem saber, o STF considerou constitucional o artigo da Lei de Biossegurança que trata do uso de células tronco embrionárias para pesquisas científicas. Avanço? Era o mínimo! A lei já é bastante conservadora; permite que só embriões fadados ao descarte (lixo) sejam usados nas pesquisas. E notem que, mesmo assim, cinco ministros votaram por dificultá-las. Temos cinco ministros que consideram constitucional misturar religião com assuntos de estado, que deveria ser laico.

Mas tudo bem; democracia é assim mesmo. Chamo a atenção também para o fato de que aqueles que votaram a favor da Adin (contra as pesquisas) foram os que apresentaram os votos mais rebuscados, cheios de citações, pretensamente eruditos.

Ao fim, César Peluzo e Celso de Melo bateram boca.

Os ministros que não permitiram um retrocesso ainda maior "neffepaiff" são: Cármen Lúcia, Ellen Gracie, Carlos Ayres Britto, Joaquim Barbosa, Celso de Mello e Marco Aurélio Mello.

De outro lado, os que cederam - disfarçada ou indisfarçadamente - ao lobby da CNBB: Menezes Direito, Ricardo Lewandowski, Eros Grau, Gilmar Mendes e Cezar Peluso. Perdoai-os, Senhor, eles não sabem o que fazem.

A revolta dos "adevogados"

Marcelo Leite deu um pau no STF por causa do exibicionismo na votação sobre as células tronco embrionárias, e os "adevogados" se revoltaram contra ele nos comentários. Não existe profissão mais corporativista.

Deixei um comentário lá em apoio a ele. "Marcelo, concordo integralmente com você. Foi um show de exibicionismo. Depois que inventaram as TVs da Justiça e da Câmara/Senado, as sessões e CPIs não são mais as mesmas. Não tenha dúvida de que todos os seus detratores aqui são "adevogados". Corporativismo puro. Só acho que é ingenuidade você exigir conhecimentos filosóficos de advogados, mesmo os do STF, que lá chegam por indicação política! Sobre o mérito, a Lei de Biossegurança já permite o mínimo do mínimo. E ainda assim corremos o risco de ficar até sem este mínimo. Pelo menos descobrimos que temos cinco carolas no STF."

quarta-feira, maio 28, 2008

Bem lá!

Empate?

A sessão do STF foi encerrada e será retomada amanhã. O "placar" ficou assim: quatro votos pela improcedência da Adin, ou seja, a favor das pesquisas (Ellen Gracie, Carmen Lúcia, Ayres Britto e Joaquim Barbosa); dois ministros consideraram a Adin parcialmente procedente (Menezes Direito e Lewandowski); e outros dois, improcedente com ressalvas (Eros Grau e César Peluzo).

Mas este negócio está estranho. "Parcialmente procedente" e "improcedente com ressalvas" não é a mesma coisa? Parece que sim. Ou seja, são quatro os que apoiaram o relator, e outros quatro alteraram o parecer de Ayres Britto.

Amanhã votam Marco Aurélio Mello, Celso de Melo e Gilmar Mendes. O avanço das pesquisas científicas "neffepaiff" está nas mãos destes senhores.

Não deu outra

Lewandowski, o marxista, aceitou a Adin do ex-procurador geral da República, o carola Cláudio Fonteles. Agora, são quatro a favor das pesquisas (Ellen Gracie, Carmen Lúcia, Ayres Brito e Joaquim Barbosa) e três "parcialmente" contra (Menezes Direito, Eros Grau e Lewandowski).

O marxismo na Corte contra a ciência

O ministro Lewandowski, do STF, está falando neste momento, na sessão que julga a constitucionalidade do uso de células tronco embrionárias em pesquisas científicas - o que já foi aprovado em 23 dos principais países. Ele recorre a uma penca de pensadores marxistas para sustentar o seu voto que, presumo, seja a favor da proibição. E dá-lhe Marx, Gramsci, Habermas, etc., para concluir que a ciência é apenas mais uma construção cultural.

A Lei de Biossegurança é até bem conservadora em relação às células tronco. O que o STF está julgando é se os cientistas vão poder usar embriões que estejam "abandonados" em centros de reprodução assistida e que NUNCA serão aproveitados para gerar um ser humano. De maneira bem simplificada, estão a decidir se os cientistas poderão usar um punhados de células (oito!) para pesquisas científicas ou se as jogam fora.

Espertamente, os carolas já sapecaram que quem defende as pesquisas é contra a vida. Pelo contrário, as pesquisas vão usar material biológico fadado ao descarte para se procurar novas terapias para doenças até hoje consideradas incuráveis.

Vamos seguir ou estacionar no obscurantismo em que já nos encontramos neste país que se orgulha de se alcunhar como "o maior país católico do mundo". Além de católicos, o lobby anticientífico é formado por carolas de todas as seitas.

O ministro Direito também produziu uma pérola. Disse que concorda com as pesquisas, desde que os embriões não sejam destruídos - o que é tecnicamente impossível, segundo os cientistas. O voto, que a princípio é a favor das pesquisas, torna-se, ao fim, contrário a elas, já que a condição imposta é impraticável. Mais do que ignorância, isso me soa a esperteza.